COMPLEXO DO ATERRO SANITARIO DE CATALÃO

COMPLEXO DO ATERRO SANITARIO DE CATALÃO

DEFINIÇÃO

Técnica de disposição de resíduos sólidos no solo, sem causar danos ou riscos à saúde pública e à segurança, minimizando os impactos ambientais (IPT, 1995).

Método que utiliza princípios de engenharia para confinar resíduos sólidos à menor área possível e reduzí-los ao menor volume possível, cobrindo-os com uma camada de terra na conclusão da jornada de trabalho ou a intervalos menores, se necessário (IPT, 1995).

Na preparação da área são realizados, basicamente, a impermeabilização e o nivelamento do terreno, as obras de drenagem para captação do chorume (ou percolado) para conduzí-lo ao armazenamento e posterior tratamento, além das vias de circulação. As áreas limítrofes do aterro devem apresentam uma cerca viva para evitar ou diminuir a proliferação de odores e a poluição visual.

Na execução os resíduos são separados de acordo com suas características, os recicláveis são separados para reaproveitamento e os rejeitos são dispostos na trincheira e cobertos por terra.  

Atingida a capacidade de disposição de resíduos em um setor do aterro, esse é revegetado, com os resíduos sendo então depositados em outro setor. Ao longo dos trabalhos de disposição e mesmo após a conclusão de um setor do aterro, os gases produzidos pela decomposição do lixo devem ser queimados e os percolados devem ser captados. Em complemento, também devem ser realizadas obras de drenagem das águas pluviais.

Os setores concluídos devem ser objeto de contínuo e permanente  monitoramento para avaliar as obras de captação dos percolados e as obras de drenagem das águas superficiais, avaliar o sistema de queima dos gases e a eficiência dos trabalhos de revegetação. Nesse sentido, segundo IPT (1995), as seguintes técnicas de monitoramento são geralmente utilizadas: piezometria, poços de monitoramento, inclinômetro, marcos superficiais e controle da vazão.

O Complexo de Tratamento de Lixo (Aterro Sanitário) do município de Catalão – GO, foi construído em 2003 e possui a seguinte Licença de Funcionamento – GCP nº 542/2010, com validade até 03/02/2016, emitida pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Goiás (SEMARH).

O Complexo conta, hoje, com a seguinte estrutura:

*             Cinturão Verde ao redor da área (Sanção do Campo);

*             Eucaliptos dentro da área do Aterro Sanitário (Barreiras de Contenção);

*             Portaria (Controle de Acesso);

*             Vigilância Armada;

*             Balança;

*             Poço Artesiano e Poços de Monitoramento de Água;

*             Banheiros e Refeitório;

*             Galpão da Usina de Reciclagem;

*             Galpão do Lixo Eletrônico e dos Pneus Inservíveis;

*             Trincheiras Impermeabilizadas com manta PEAD para a disposição final do resíduo sólido urbano;

*             Drenos para captação do chorume;

*             Chaminés específicas para o Gás Metano;

*             Bota-Fora, local onde são depositados os resíduos de construção civil, podas, capinas e roçagem;

*             Incinerador de Resíduos de Serviço de Saúde – RSS (desativado);

*             Trincheira Impermeabilizada com manta de PEAD para o Resíduo de Serviço Saúde (Fechada);

*             Lagoas de recebimento do chorume.